Transtornos Alimentares

Critérios para diagnostico da anorexia nervosa:

1 – Medo intenso de ganhar peso ou tornar-se gordo

2 – Restrição da ingestão necessária, levando a um peso significativamente abaixo no contexto de idade, sexo.

3 –  Percepção inadequada de seu peso. Paciente não reconhece a seriedade da situação do baixo peso. Apresenta medo intenso de ganhar peso mesmo estando bem abaixo do normal.

95% são mulheres. Mesmo falando que é grave, o paciente não se importa. Existem dois tipos o Restritivo que não come nada e o Bulímico /purgativo que come e vomita. Usa às vezes laxantes e diuréticos.

O número de homens vem crescendo. Está presente em todas as classes sociais. Geralmente começa na adolescência mas agora está aumentando principalmente entre crianças e mulheres na faixa de 40 anos. Apresentam medo irracional de engordar e desejo de magreza. Consultas ao espelho e à balança são frequentes. Muitos apresentam o hábito de esconder restos de comida, aprender receitas e cozinhar para a família.

Apresentam como característica: introversão, perfeccionismo, orgulho pelo autocontrole, irritabilidade, dificuldade em se concentrar, menos energia e rituais alimentares. Usam agasalhos largos para a família não perceber que estão emagrecendo e para disfarçar para ela mesma que acha estar gorda. Chega a esticar o arroz no prato e contar os grãos que vai comer e vários outros rituais obsessivos que muitas vezes desaparecem com o tratamento.

Bulimia nervosa é o segundo transtorno mais importante. O paciente passa o dia inteiro fazendo dieta, controlando o peso e de repente toma um pote de sorvete uma lata de leite condensado tudo isso em um período muito curto. Faz isso por perda de controle. Isso é um episódio bulímico. Usa técnica inapropriada para não ganhar peso provocando vômitos, usando laxantes e ou exercício físico excessivo. Os episódios têm que ocorrer em média uma vez por semana nos últimos três meses.  A percepção da realidade do paciente é muito diferente. Não adianta falar que a paciente está linda pois ela não se vê assim.

10% das pessoas apresentam transtornos alimentares.

Fatores biológicos e perfeccionismo na infância levam a uma maior predisposição para desenvolver anorexia nervosa.

Ninguém tem culpa da doença e tem que tirar este peso das costas dos pais. Os efeitos da pressão social por um corpo perfeito, a associação com algumas doenças psiquiátricas e o favorecimento na mídia de padrões excessivamente esbeltos são em parte responsáveis pelo desencadeamento deste transtorno. Por outro lado os obesos são vistos como preguiçosos, pouco atraentes ou alvos de risadas. As mulheres são forçadas a submeter-se a mercados competitivos, nos quais a aparência é tão ou mais importante que sua habilidade na execução das tarefas profissionais.90% das pessoas com transtorno alimentar tem pelo menos: depressão, ansiedade, abuso e dependência de drogas e álcool.

Fluoxetina é o único tratamento liberado para bulimia nervosa.

Abandono é grande no tratamento chegando a 85% .O maior inimigo do tratamento é o próprio paciente.